por Wilian Delatorre

Wilian Delatorre Personal Travel,
o seu agente pessoal de passagens com milhas e roteiros.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

TripAdvisor via Facebook







quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Como é o vôo em classe executiva




A classe executiva oferece uma experiência maravilhosa ao passageiro. Conforto, serviço mais atencioso, boas refeições e uma boa variedade de bebidas. No caso da Ibéria esse serviço melhorou muito nos últimos anos. Um dos principais fatores foi a colocação de poltronas totalmente reclináveis e com controle remoto. Um espetáculo!!!

Até hoje eu não sei se foi o extravio da minha bagagem na ida ou overbooking mas o fato é que em Roma meu ticket foi alterado da classe O para a classe I (business plus). Fui encaminhado para a sala VIP em Madri, com open bar e deliciosas refeições, revistas, Internet, sobremesas, sorvetes Hagen Daz, etc…(rsrs… abusei desses).Foi ali que eu percebi a enorme disparidade entre os tipos de acomodação dos vôos. Dentro do avião a viagem que fisicamente durou 12 horas, foi tão relaxante e proveitosa que na minha mente durou apenas 4 horas. A poltrona é espetacular, o serviço, as refeições escolhidas no menu, os vinhos, a champagne, o atendimento são de outro mundo. Hoje ficaria complicado voar de econômica novamente, humildemente, fiquei mau acostumado.


Voar em classe executiva é um privilégio para poucos. Geralmente uma tarifa nessa classe custa 3 vezes mais que uma tarifa na classe econômica. Com muita sorte as vezes se consegue um upgrade, ou seja, você sai da econômica e vai para a executiva.

Confira as dicas de quem já conseguiu um upgrade no excelente blog Aquela passagem.

http://www.aquelapassagem.com.br/classe-executiva-upgrade-de-ultima-hora/

O Retorno ao Brasil e a merecida compensação


Como eu comentei no ínicio dos posts, a cia Iberia de aviação gerou um grande transtorno no começo da minha viagem, apenas no quinto dia pude ter minha mala.

Ao fazer o check-in no aeroporto de Roma tive uma grande surpresa, a moça digitava e digitava no computador e eu só olhando, foi quando ela me informou que eu voltaria de classe executiva, anotou no bilhete onde ficava a sala Vip da cia em Madri e qual seria meu assento. Fiquei desconfiado, não tava botando fé. Ao embarcar no avião que me levaria á Madri comecei a questionar qual seria o motivo daquela ação. Ao chegar em Madri apresentei meu bilhete na espetacular sala vip e adentrei.

Era uma cena glamurosa: um open bar completo, uma geladeira aberta repleta de bebidas, sanduíches, vinhos, champagnes, etc. Um freezer exclusivo da Haagen Dazs, um sorvete que no Brasil custa cerca de 12 reais o potinho. Lógico que eu fiz valer todo o sofrimento daqueles cinco dias sem a minha mala. Me esbaldei, acessei a internet e peguei várias revistas automotivas disponíveis.

Almocei lá dentro mesmo, no cardápio: carpaccio, mussarela de búfala, omelete e paella. De sobremesa mais uns 2 potinhos de sorvete e barras de chocolate suiço. Meu vôo sairia em uma hora, mas eu já estava super satisfeito.

A despedida



Calor intenso em Roma, mas mesmo assim no meu último dia na capital da Bota resolvi bater pernas pela cidade. Peguei meu mapa á procura do Hard Rock Cafe. Confesso que me perdi na terceira praça mas quase ao anoitecer encontrei o bar. Um lugar muito legal com um clima muito convidativo.

Lá pude observar nas paredes os instrumentos de vários artistas como: Smashing Pumpkins, The Who, Ramones, Metallica, Iron Maiden e Tina Turner. Um chopp saboroso e para celebrar a viagem um lanche básico: O LEGENDÁRIO OZ BURGUER. Que maravilha um legítimo hamburguer caseiro com batatas fritas (cortadas no dia). Uma Pepsi como sobremesa e alguns souvernirs na saída.

E na volta um grande susto, ficou muito escuro e não tinha mais como eu me localizar pelo mapa, me arrisquei e comecei a bater perna com a sacola na mão, não estava mais me encontrando, comecei a dar zigzags e aquele sentimento de apreensão.

E para ajudar me aperece um sujeito todo simpático me convidando para ver uma coisa, não sei se era a digestão ou o caloroso convite eu o acompanhei. Ao chegar no local, me deparo com uma casa cheia de mulheres com pouca roupa (rsrs). Era tudo o que eu precisava, era tarde da noite,estava sem os meus documentos e vôo saria em poucas horas. Eu não podia arriscar, nem mesmo ao tomar um drink, peguei um cartão com o sujeito falei que era meu primeiro dia na cidade e voltaria depois. Ao sair daquele local, me aparece um ônibus com destino ao TERMINI, justamente onde ficava o meu hotel. Ah, não trepidei , entrei nele numa boa. Só tinha um probleminha, eu não havia comprado o ticket, ou seja, você não pode entrar num ônibus sem o ticket, o motorista não é cobrador e se um fiscal te pegar sem o tal ticket é multa de 500 euros na hora.

O ônibus anda e o cartaz a minha frente me alertava, aquela sensação de suor frio toma conta do meu corpo, alguns minutos depois chegamos ao Termini, desci numa boa, olhei pros lados e vazei rumo ao hotel, estava salvo.

Capri - O paraíso formado pelo Vulcão


Já tinha realizado meu sonho. Mas fui surpreendido por essa ilha chamada Capri.

Segundo o Wikipédia:

Capri é uma comuna italiana da região da Campania, província de Nápoles, com cerca de 7.058 habitantes. Localiza-se na Ilha de Capri no mar Tirreno.Estende-se por uma área de 3 km², tendo uma densidade populacional de 2353 hab/km².

O Azul daquele mar jamais sairá da minha memória. A entrada na gruta azul, o passeio com os amigos no barco, aquele dia de sol maravilhoso. E para premiar o dia, um mergulho naquela água salgada com o Vesúvio ao fundo.

O destino mais esperado de todos -- Pompéia--



Uma emoção indescrítivel. A perda da fala, uma vontade de gritar e pular. Foi assim que me senti ao chegar em Pompéia, a cidade histórica que foi completamente destruída pelo Vulcão Vesúvio há mais de 1900 anos. O gosto e uma admiração enorme por vulcões aliado com uma paixão pelo show do Pink Floyd Live At Pompeii foram a grande motivação dessa viagem. Havia feito uma auto-promessa que um dia iria e eu estava lá, eu tinha conseguido, coloquei o fone de ouvido com o aúdio do show e fiquei lá na companhia de um cachorrinho italiano desbravando aquela cidade milenar.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O Papa mora em Roma?


Teoricamente. O Papa mora na verdade no Estado do Vaticano, segundo o Wikipedia:

O Vaticano ou Cidade do Vaticano, oficialmente Estado da Cidade do Vaticano (italiano: Stato della Città del Vaticano),[4] é o centro da Igreja Católica e uma cidade-estado soberana sem costa marítima cujo território consiste de um enclave murado dentro da cidade de Roma, capital da Itália. Com aproximadamente 44 hectares (0,44 km²) e com uma população de pouco mais de 800 habitantes, é o menor Estado do mundo, tanto por população quanto por área.[5][6]

Mas eu não estava lá para ver o Papa, até porque ele estava de férias, segundo a secretaria do Vaticano em uma casa de campo no interior. Acima a foto do fato.

Um pouco de História



Segundo a tradição, Roma teria sido fundada no ano de 753 a.C. por Rómulo e o seu irmão Remo.[5] Rómulo e Remo envolvem-se numa luta e Rómulo acaba por assassinar o seu irmão Remo. No começo foi governada por reis mas, novamente de acordo com a tradição, tornou-se uma República em 509 a.C..[6] A cidade cresceu e, no final da República, Roma era a capital de um vasto império em volta do Mar Mediterrâneo. No seu auge, durante o século II, a cidade chegou a ter cerca de 45 000 prédios de apartamentos, e uma população de 1 600 000 pessoas. Seus aquedutos transportavam mais de um milhão de metros cúbicos de água, mais água do que chega à Roma moderna.

Com o fortalecimento do cristianismo do rei, no século III d.C., o Bispo de Roma (que mais tarde passaria a ser chamado de Papa) tornou-se a maior autoridade religiosa na Europa Ocidental.

Quem tem boca... vai á ROMA


Não parecia real, um sonho tão esperado, uma viagem tão plajenada e a cidade mais impetuosa do mundo se apresentava a minha frente. Milhares de anos de história e eu estava ali, no berço da sociedade ocidental. Um dia inesquecível.

Assis e Siena


Quer pegar um bronzeado? Deseja um banho de sol durante grande parte do dia? Então vá para a Itália em Agosto!

Eita calorão, por Thor!

Ainda bem que me abastecia nos mercados de bebidas e isotônicos para evitar a desidratação. Chegamos em Siena bem cedo, conhecemos o centro e matamos a sede no bebedouro público.

Almoçamos em Assis. Lá comi a melhor salada Ceasar´s de todos os tempos, leve, refrescante, um espetáculo. Tentei refazer o prato no Brasil, mas não é mesma coisa, não sei se é a mussarela de búfala ou o atum, mas um dia eu volto lá e faço uma visita técnica à cozinha.

La Maffia - Sem medo do perigo


Carrego comigo um ditado importantíssimo: "Quem passa a vida com medo, não vive o que a vida tem de melhor".

Tive a audácia e coragem de entrar na Diretzione Investigativa Antimafia com um chapéu de Dom Corleone (o chefão mafioso mais conhecido de todos os tempos), me liberaram logo em seguida, disseram que não tinham provas contundentes contra a minha pessoa. Peguei minha mala e segui viagem rumo a ASSIS E SIENA.

Respire arte. Vá a Florença


Arte, arte, arte. Simplesmente respire arte em uma das cidades mais ricas do mundo.

Tem origem num antigo povoado etrusco. A cidade foi governada pela família Médici desde o início do século XV até meados do século XVIII. O primeiro líder da cidade pertencente à família Médici foi Cosme, o Velho, chegou ao poder em 1437. Foi um protector dos judeus na cidade, iniciando uma longa relação da família com a comunidade judaica.


Santa Maria del Fiore e o campanário de Giotto.A Grande Sinagoga de Florença, também conhecida como Tempio Maggiore, Templo Principal, é considerada uma das mais belas da Europa.

Destacam-se as diversas e belíssimas catedrais de épocas e estilos diferentes. A cidade também é cenário de obras de artistas do Renascimento, como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Giotto, Botticelli, Raphael, Donatello, entre outros.

Nesta cidade nasceram os papas: Leão X, Clemente VII, Clemente VIII, Leão XI, Urbano VIII, Clemente XII.

(Fonte: wikipedia)

A obra que até hoje me fascina e dá aquela sensação de espanto e contemplação é o Davi de Michelangelo. No museu não era permitido o uso de câmeras fotográficas, mas não pude resistir a essa fenomenal obra de arte.